12 de agosto de 2014

Um corpo sem adversativa


Ontem eu vi uma imagem de um tutorial de desenho, de como desenhar o corpo feminino e mostrava os diversos modelos existentes. Meu corpo não estava lá.

Fiquei um pouco confusa, olhei de novo, pulei a sessão de corpos magros, porque definitivamente eu não estaria lá, mas eu também não estava na sessão das gordas e nem gordinhas. Meu corpo não é padrão em nada pelo visto.

Confesso que num primeiro momento eu fiquei meio xoxa, é bobeira, mas me incomodou não me ver ali, não ter um corpo que se encaixe nos tantos tipos disponíveis e reconhecidos.

A gordinha que tinha lá era gostosona demais, nada a ver comigo. A gorda tinha coxas muito grossas, diferentes das minhas e uma outra tinha o quadril muito largo, também diferente do meu, ambas tinham seios médios, diferentes dos meus. Se até num desenho é tudo padronizado, é realmente difícil não se deixar afetar em algum momento, não se sentir meio fora do contexto.

Mais tarde, já em casa, quando sai do banho, fiquei pelada na frente do espelho, fiquei ali me olhando, vendo meu corpo.

Meu corpo que me leva para os lugares, meu corpo que me faz sentir frio, calor, que me faz ter tesão, que me deixa gozar, meu corpo que corre, que dorme, que desperta preguiçoso, o corpo que eu tatuei, meu corpo que num todo me deixa amar, meu corpo que provoca tesão, meu corpo que me deixa tomar sorvete, que me dá o prazer de ser massageado, meu corpo todo que não define quem eu sou, mas também é tudo o que eu sou. 

Por 32 anos meu corpo tem feito tudo o que eu preciso, não tenho do que reclamar. Eu gosto dele como ele é, sem adversativa nenhuma. 

3 comentários:

Gharcia disse...

Depois de alguns anos comprando roupas femininas eu percebi duas coisas: calças 40 de hoje são as 38 de 5 anos atras... e as 36 de 10 anos atras.
E antes ou agora, cosias simples como soutiens são peças que nunca se adaptam direito. Sempre sobra ou falta algo. São pelas de um padrão q não encaixa pra nenhum mulher.
Exceto os da Hope que tem duas medidas (busto e seios).
Mas são caros e não chegam a maioria.

Janaina Pupo disse...

Nossa, que texto lindo. Estou olhando para o meu corpo agora e amando. Pode ser que daqui a pouco eu veja algum defeito de novo, mas o agora está sendo ótimo =D

Te amo e vc é linda, TODA linda!

Vitor Costa disse...

"meu corpo todo que não define quem eu sou, mas também é tudo o que eu sou."

Frase muito interessante, assim como todo o texto. Se não estamos satisfeitos com nossos corpos, então não podemos estar satisfeitos com mais nada.

"meu corpo todo que não define quem eu sou, mas também é tudo o que eu sou."

O Mundo Em Cenas

Beijos