16 de abril de 2013

Eu sou linda e você?

Hoje eu acordei bem e daí fui me pesar, a balança apontou 900gr a mais, quase 1 quilo a mais. No mesmo instante, eu fiquei triste, me achei feia, me achei pouco desejável, achei que todo fracasso amoroso meu se deu pelo meu peso. Achei que todos os enganos da minha vida se resumiam porque eu sou feia, porque não ser magra é ser feia, é o que aprendemos.

Eu fiquei assim por conta de um número na balança e também da TPM, claro, mas eu fiquei assim. E daí lembrei do vídeo que tá todo mundo vendo/falando do Dove, da real beleza e como nos vemos, eu achei tudo uma merda. O vídeo que ontem me pareceu muito bonito, hoje me pareceu ladainha de gente metida a feliz e magra, coisa que não sou. O vídeo não me representa, porque lá as mulheres são bonitas, apenas se acham feias. Eu não, sou feia e me vejo assim, com toda realidade possível.

Coisa feia meu pensamento, né? Eu achei, passado um pouco da manhã eu fiquei com vergonha de ter me sentido assim, afinal, a gente vive aí, batendo no peito do amor próprio, do autorrespeito e aceitação das diferenças, mas percebe que no dia-a-dia são dois pesos, duas medidas. Eu aceito as diferenças dos outros, mas as minhas eu condeno. É coisa feia fazer isso, mas ninguém tá imune de cair nesse lance da cobrança da imagem, de querer ser linda conforme o padrão vigente da época e toda essa merda que escutamos desde crianças. Eu entendo que eu caia nessa de vez em quando, mas tento sair o mais rápido possível. Então é assim, nada de adversativa, nada de "apesar de gordinha, sou linda".

Sou linda ponto final e você? Vai me dar a mão nessa?

5 comentários:

livroseoutrasfelicidades disse...

Como você bem disse, a gente aceita as diferenças nos outros e se condena por não ser perfeita. Como é difícil olhar no espelho e pensar "sou linda", sem nenhum "mas, apesar de, bem que podia..."

Deh disse...

Opa, tamo junta!
Me acho linda e filézão quando acordo. Quando vou dormir já passei por um pavoroso processo de autoembarangamentp e mal me olho na cara.
A gente faz isso consigo mesma e não devia não.

:*

Milla Pupo disse...

É, meninas, é difícil mesmo, mas acho que é bom continuar tentando, because we can do it ;)

Winnie Affonso disse...

Isso de amor próprio e autoaceitação é tipo física/química: a gente decora a fórmula, mas não consegue aplicar na vida (ou pra gente). Mas... we can do it :)

Milena disse...

não há quem não se identifique, mas essa luta é diária. we do it!