29 de fevereiro de 2008

Foram elas

Queria escrever algo brilhante, que mude o mundo, mas palavras são só elas e no fim perdem o efeito sozinhas. Tentam ser humanas e ficam individuais. Achando que mudar vale muito por si só e esquece que sozinha, “mudar” é como o “nada”, que pensa que é alguma coisa na boca dos poetas que divagam sobre ele.

“Tudo” é a mais pretensiosa porque acredita que com suas quatro letras pode mais que qualquer uma. Ela não pode, porque a “regra” fica azucrinando e podando “tudo”.
Com tanta vaidade a “regra” acaba sendo subjugada pela “exceção”, que vive pulando por aí, achando que é especial só porque consegue fugir da “regra”, mas ela é só mais uma.

Tem a “morte” que é pomposa só porque tem o destino de todos e a “vida” que pensa ter o poder da criação, que a “ciência” faz questão de discordar.

A “fé” e “deus” são melhores amigos, eles acham que não precisam provar nada para ser, ambos tem o mesmo senso de humor, deve ser por isso a amizade duradoura.

Palavras que morrem na tinta que acaba, na borracha que apaga, na ponta quebrada do lápis e na falta de idéias de quem escreve. Elas que não são por si até alguém escrever, falar ou cantar.

Nada mais que um bando de excêntricas que insistem em ter vida própria. Elas, as palavras, que fizeram isso.


Culpadas.

3 comentários:

Toad - Matheus H. disse...

Muita verdade eu li!
Poderia aqui escrever muitas coisas. Só que teria que usar palavras.
E elas me tapeariam.
Te mostro então, quando nos encontrar-mos, com olhares.

Lígia Ruy disse...

Poxa vida Milla!

Bom, vamos por tópicos:

* O layout do blog está ótimo! Muito sua cara.

* Os textos estão perfeitos; bem escritos, originais e donos de histórias lindas.

* Este texto em especial eu amei. Arrisco dizer que é um dos melhores dos que tenho lido.

Já sou fã de carterinha. E vou linkar no escrevedeiro, lógico!

fim dos tópicos.

Não abandona este não, tá!

beijos

• YuЯi KiddO • disse...

não é a arma que mata. não culpe as palavras. Elas nunca volta vazias.