12 de fevereiro de 2015

Um calorzinho sem vergonha

Quando eu era mais nova adorava o frio e obviamente que odiava o calor. Não gostava de jeito nenhum, falava mal, achava chato, era aquele discurso já manjado de quem curte frio. 

Daí que passei por uma fase complicada lá pelos 29 anos [aquele abraço para o retorno de saturno]. Terminei a faculdade, fiz terapia, passei por mudanças significativas, fiquei mal, fiquei bem, fiquei mal pra caralho e daí fui melhorando.

Final de semana passado eu sai usando uma regata. Eu tenho 33 anos e foi a primeira vez que usei uma regata. O motivo de não ter usado antes? Vergonha do braço gordo, vergonha de mostrar como sou e o que sou. Quando a gente é mais nova ou imatura demais para entender o próprio corpo, a gente quase acredita que com a roupa certa, vamos parecer outra pessoa. 

Quase acredita que no frio, com aqueles 500 casacos nos cobrindo dos pés a cabeça, as pessoas não vão notar nossas gorduras, não vão perceber que temos barriga, que temos dobras, que temos braço roliço.

Bom, é mentira. No frio a gente continua gorda, nada disso muda. Nadinha. Hoje percebo que meu discurso de adoração pelo frio veio daí, veio dessa ideia de que me escondendo, talvez eu parecesse diferente, menos gorda, menos eu.

Lá com 30 anos, quando passei por um processo de reeducação alimentar que resultou no emagrecimento de mais de 10kg e que veio no caminho para me gostar mais, eu entendi isso, eu entendi o porque eu não gostava do calor, porque odiava praia, sol e qualquer coisa que me obrigasse a mostrar meu corpo, a ficar mais peladinha.

Era vergonha, dessas que te faz querer ser diferente e chorar por não conseguir se encaixar no que é padrão. Eu sei que esse assunto de falar sobre o próprio corpo e aceitação já tá manjado, mas continuo achando importante falar sobre isso.

Em menos de 30 dias eu saio de férias e um dos lugares que vou tem apenas as praias mais bonitas do mundo. Eu vou usar roupa de praia, mas eu ainda não consigo usar biquíni, tenho vergonha, vou usar maiô, um passo por vez.

Vai ser ótimo, vai ser lindo, vai ter calor de quase 40ºC e vai ter eu com roupa de praia mostrando meu corpo por aí, suando nas regatas, andando descabelada e feliz.

Eu gosto da ideia. Gosto de me ver hoje ousando deixar minha vergonha de lado, mesmo que ainda não consiga usar biquíni, mas já faço muito mais do que fazia há 3 anos, hoje eu me permito muito, corro muito mais, me gosto muito mais :)

É muito válido o esforço em ser uma pessoa sem vergonha, ainda mais com esse calorzinho tropical.




Um comentário:

Laís Lemos disse...

:)

Um passo de cada vez.