22 de fevereiro de 2015

O burrinho

Quando eu era criança tinha um álbum de figurinhas que chamava "Filhotes fofinhos" eles realmente eram fofinhos, as figurinhas eram peludinhas. Eu adorava!

Um dos filhotes era um burrinho chamado Pupo, isso aí, meu sobrenome e eu achava o máximo um burro chamar Pupo. Bom, cada personagem tinha uma história e sempre tinha uma lição de moral no final.

O Pupo era um mentiroso compulsivo, contava mentiras para tudo. Até que um dia, aconteceu algo grave de verdade e ele foi buscar ajuda dos seus amigos. Mas como ele sempre mentia e todo mundo já estava esperto com ele, ninguém acreditou e o Pupo se fodeu. Não lembro bem o que aconteceu com ele, só que ele, tadinho, se lascou.

A moral da óbvia da história é que contar mentiras é uma coisa muito ruim, a moral implícita é que quando você comete um mesmo erro algumas vezes, você possivelmente vai criar um precedente bem chato de lidar. Mesmo que você não esteja fazendo aquela cagada que já fez antes, vão desconfiar que você está sim, porque aprender que padrões se repetem e se defender disso, é reação.

Logo na minha primeira sessão de terapia tive que falar com qual animal me identificava, disse que era um gato. Hoje, se me perguntassem isso novamente, diria que me identifico com o Pupo, o burrinho. Não pela mentira, mas por me foder em repetir o mesmo erro algumas vezes e não saber como lidar com esse precedente.

Olha o álbum :)

E algumas das figurinhas, mas não tem do Pupo, descobri que eram as mais difíceis de achar.

Nenhum comentário: