22 de janeiro de 2013

A conta, por favor!

Não sei como começou e quando, mas assim, se você me convidar para sair, eu vou me oferecer para dividir os gastos, não importa o que seja, pode ser restaurante, boteco, motel, cinema, sinuca, enfim, qualquer coisa, é uma reação automática, eu acho o certo.

Daí que ontem me perguntaram se isso era algo meu ou se eu fiquei assim porque não sou acostumada a aceitar/receber certos tipos de gentilezas. Por exemplo, eu nunca consegui sair com um homem e ficar parada vendo a conta chegar sem fazer nada, claro que não paguei muitas vezes por insistência, mas eu não ligo em absoluto em dividir. Eu não sei ser assim, primeiro porque não acho justo com a pessoa, segundo porque percebi que, de alguma forma, eu vejo isso como uma afronta, eu vejo algo como "eu pago, porque você não é capaz" e muitas vezes não é nada disso, é apenas cordialidade, né?  :(

É um pouco triste perceber que não sei lidar com gentilezas, que muito pra mim ainda se resume na autoafirmação do que sou capaz. Uma merda tudo isso, uma grande merda.

5 comentários:

André T. disse...

Relaxa.
Tente entender tudo o que a outra pessoa fale/faça da forma com que fique melhor pra ela. Pressuponha boa-vontade, ingenuidade etc. Dê o benefício da dúvida.

Eu vivo falando essas coisas (pra eu mesmo!), mas fazer é bem mais fácil do que falar.

Milla Pupo disse...

É, vou tentar, mas é um exercício realmente difícil. Já falaram que sou arisca por conta disso, nada legal.

Isa disse...

é difícil aceitar: ajuda, gentileza, seja o que for. mas o tempo (e um pouquinho de insistência) vão deixando a gente mais doce :)

Milena disse...

sou tanto isso que me vi sendo autora do texto. :~

Milla Pupo disse...

Isa, é difícil mesmo, mas vou continuar insistindo, é preciso melhorar e ser mais doce :)

Mi, te conhecendo, acredito em ti, mas tenho fé que a gente consegue aliviar mais esse nosso jeito, deixar de tanta autoafirmação quando ela não é necessária.