13 de maio de 2011

Da ironia do banho e dos pensamentos que não podem ser escritos na água


Entrou no banheiro, tirou o vestido, tirou a calcinha, abriu o chuveiro, mas por um momento cogitou não entrar e tomar banho mais tarde, queria escrever e estava tendo uma boa idéia naquele exato momento e, ela que andava sem boas idéias, achou que deveria sabotar o banho, mas não o fez, confiou na memória.

Foi para debaixo do chuveiro, a água estava bem quente e ela lembrou de quando
era mais jovem, que sua pele ficou ressecada e o dermatologista indicou que tomasse banho morno. Em seguida lembrou que tinha esquecido a grande idéia para o texto e pensou ironizando consigo mesma "Ótimo, já não tenho idéias, vou falar sobre minha terapia, tá na moda".

Depois ficou ali parada, vendo a água cair nos seios, pequenas gotículas que deslizavam até o bico e formavam quase uma pequena cascata, achou bonito e pensou que podia escrever sobre o complexo que tinha quando adolescente pelo tamanho dos seios, mas falar de peitos não era bem o plano, aliás era um péssimo plano.

Passou xampu nos cabelos pensando que não escreveria mais reclamações de como vinha se sentindo sozinha, porque lera em site que ninguém gosta de pessoas que muito reclamam e ela estava carente, ela queria que alguém gostasse dela naquele momento, mas reclamar não ajudaria. Okay, nada de reclamar, nem dos peitos ou da solidão.

Tirou o xampu, fechou os olhos, colocou as mãos nos ouvidos e ficou sentindo a água cair e escutando o barulho que fazia, imaginando que aquele som deveria ser parecido com o que se escuta quando se está no útero, quando ainda não se é gente que toma banho. Teve saudade.

Passou condicionador, tinha que esperar dois minutos com ele na cabeça. Pegou uma escovinha e começou a esfregar os azulejos, limpou três, aí pensou que mania de limpeza era coisa de gente meio desequilibrada, ela não era maníaca por limpeza, mas também estava longe de ser equilibrada. Largou a escovinha. Pensou "que se foda" vou tirar o condicionador. Tirou.

Fechou o chuveiro. Lembrou que não tinha se ensaboado, pensou "belo banho... belo banho!" abriu o chuveiro de novo, se ensaboou, se enxagou, fechou o chuveiro. Pegou a tolha velha. Secou os braços, os seios, a barriga. Suspirou e pensou "tô gorda" em seguida pensou "ah, foda-se" e secou as pernas, passou a toalha nas costas, se enrolou.

Puxou a água do banheiro, pegou o pano xadrez azul que estava meio úmido, passou no chão para tirar o excesso. Saiu do banheiro, foi para o quarto, sentou na frente do computador e pensou "vou escrever algo" e escreveu. Foi postar e...


Não era uma boa idéia mesmo...

4 comentários:

Janaína Pupo disse...

É... o blogue estava de greve ¬¬
Que banho longo.Gostei do texto.

Milena disse...

eu estava com muito ódio do blogger ontem. e sou que nem você, pensa numa coisa boa e quer parar o mundo pra escrever, mas nunca dá :~ hahahahahaha e o melhor é que eu sempre me esqueço.

gostei muito desse texto ;D

Talita Perna disse...

Adorei o texto, Milla! =]

Isadora disse...

e eu aqui, SOFRENDO pra tirar umas linhas... ai que mundo injusto!