26 de janeiro de 2015

Obrigada, Chimamanda

Eu estou lendo o livro Americanah, da Chimamanda Ngozi Adichie e a minha vontade é de falar para todo mundo ler, estou naquele ponto de achar tudo tão bom, tão coerente e iluminador, que acho injusto algumas pessoas não terem o prazer de poder ler o que ela escreve, tanto que vim aqui escrever sobre isso.

Eu não vou tentar fazer resenha, primeiro porque não terminei o livro e segundo porque não acho que estaria à altura. Definitivamente é um livro para se ler por completo, resenhas não cabem bem.

O que eu posso dizer é que há pouco mais de uma semana, eu tenho me sentindo quase tonta com as coisas que a autora traz, confesso, com um pouco de vergonha, que são coisas que eu não tinha pensado e nem tinha notado, mas acredito que nunca é tarde para descortinar coisas que estão fora do nosso campo de visão.

O livro fala de racismo, de feminismo, de romance, de força e de sentimentos comuns a todos nós. Parece genérico falando assim, né? Mas é porque eu não consigo sintetizar o livro, me sinto meio entorpecida e parece que o que tento dizer é menor perto do livro.

Bom, se você, assim como eu até então, não conhecia a Chimamanda Ngozi Adichie, faça um favor a si mesmo e conheça. Se não tem como ler o livro agora, tem dois vídeos de palestras dela bem bons, que eu acho que são até bem famosos, mas eu também não conhecia.

Esse que ela fala sobre o perigo de acreditar e ouvir uma única história.



E esse, um discurso chamado "Sejamos todos feministas" que também você pode baixar gratuitamente aqui ou aqui para ler ele na integra.

E se nenhuma das minhas palavras te convenceu a ler o que ela tem a dizer, deixo um trecho do discurso dela em "Sejamos todos feministas" aqui embaixo :)

"Perdemos muito tempo ensinando as meninas a se preocupar com o que os meninos pensam delas. Mas o oposto não acontece. Não ensinamos os meninos a se preocupar em ser “benquistos”. Se perdemos muito tempo dizendo às meninas que elas não podem sentir raiva ou ser agressivas ou duras, elogiamos ou perdoamos os homens pelas mesmas razões. Em todos os lugares do mundo, existem milhares de artigos e livros ensinando o que as mulheres devem fazer, como devem ou não devem ser para atrair e agradar aos homens. Livros sobre como os homens devem agradar às mulheres são poucos."




Um comentário:

Winnie Affonso disse...

Eu já tava querendo ler, agora vc me deixou com ainda mais vontade! :)