10 de novembro de 2013

Blur e uma oração

Eu sabia que ver o show do Blur seria algo especial, sabia que seria emocionante, eu carrego uma carga emocional muito forte com a banda, são fatores demais, são dores, amores, fases, enfim, muita coisa interligada, muita história.

Eu sabia também que ao escutar "Tender" meu coração possivelmente iria acelerar, mas o que eu não sabia é que eu iria chorar nos primeiros acordes e por toda a música.

A parte que eu não sabia e continuo sem saber, é porque chorei tanto, mas eu chorei. Chorei um choro guardado, chorei desabafo, chorei e de um jeito clichê deixei muita coisa ir embora, foi minha catarse particular, foi minha libertação.

Quando a música acabou e eu ainda estava chorando, um cara na minha frente falou para o outro:

- Caralho, que foda.
- Foda demais, isso não é música, é uma oração.

É isso, não é música, é uma oração, pelo menos pra mim.

Eu estou muito feliz, muito mesmo, tanto que escrevo isso aqui chorando e escutando de novo a minha oração.

Amém.


2 comentários:

Deh disse...

Eu tava vendo online e fiquei emocionadaça também. <3 lamentei demais demais num ir ver ao vivo, ai ai. :(

Nina disse...

Tenho canções assim também em minha vida. Funcionam como oração, religião.
E música serve para isso mesmo.
Abraços.