23 de outubro de 2013

Ok, então

Ontem, na minha penúltima sessão da terapia, ela perguntou: "como você tá?" e eu respondi "tô bem, quer dizer, acho que tô bem, na verdade eu sempre fico em dúvida se tô bem porque amadureci ou se porque tô apática". Eu tenho grande tendência à apatia.

Enfim, no andamento meio que conclui que tô bem sim, acho que depois de tanto tempo tô bem, de uma forma mais leve, com uma aceitação mais verdadeira de quem sou e do que devo esperar dos outros. 

Mas como muitas vezes a coisa funciona entre calmaria e tormenta, foi o que aconteceu. Mentira, não foi tormenta, foi um chuvinha, daquelas que só molha e enche o saco, mas me chateou, me molhou e borrou meu rímel.

Eu tenho criado bem menos expectativas com as pessoas e tenho feito um verdadeiro esforço para acreditar no que me falam, mas acreditar mesmo, aceitar o que foi dito e ok.

Por exemplo, o cara me disse que não que não quer namorar, que não quer compromisso, que só quer comer todo mundo por ai? Ok, eu acredito. Eu não vou tentar desvirtuar ele desse caminho, não vou supor que disse isso na real porque tem medo de se envolver ou qualquer merda genérica que 'aprendemos' a usar como desculpa quando uma pessoa não quer ficar conosco, desculpa que usamos simplesmente porque preferimos uma mentira do que a verdade de que nem sempre somos "a pessoa especial" para uma outra. Todo mundo quer ser especial para alguém, eu e você.

Se o cara me disse que tem problemas? Ok, acredito.
Não quer se envolver? Tá bom, não vou forçar.
Afirma que é complicado? Entendo, se tá falando deve ser mesmo.
Só quer sexo? Boa sorte, aproveite.

E daí que eu volto para o início, na minha dúvida sobre estar bem ou apática, porque em outros tempos eu sofreria, eu ficaria triste, eu acharia que o problema sou eu, tentaria uma forma de contornar a situação, mas hoje eu prefiro acreditar que o que me foi dito é verdade e simplesmente deixo ir. Se por um lado isso me traz certa leveza, por outro fico pensando se isso não é a tal apatia, uma indiferença que pode me estagnar pela aceitação em demasia do próximo e que talvez eu perca algumas coisas/pessoas por esse comportamento.

Eu não sei, realmente não sei se tô indo pelo melhor caminho, mas sei que tenho pensando muito mentalmente "Ah, é? Ok, então" e, na maioria das vezes, só tiro meu time reduzido de campo e a vida segue. 

E é isso, ok?
Ok, então.

dual/trial





Um comentário:

livroseoutrasfelicidades disse...

Milla, pode ser apatia, maturidade, pensamento zen, enganar a sim mesma... só com o tempo para saber, né?